Ouça o áudio desse artigo

 56,941 Total de visualizações

Ele passou a ser alvo de ataques nas redes sociais após contestar decretos sobre armas de Bolsonaro.

O deputado federal Marcelo Ramos (PL-AM) sentou na cadeira de primeiro vice-presidente da Câmara há menos de quinze dias e já provocou a ira de bolsonaristas, que estão em lua-de-mel com a troca de comando da Casa, após a vitória de Arthur Lira (PP-AL) e a saída do desafeto Rodrigo Maia (DEM-RJ).

Tudo porque no domingo, 14, ele publicou um post no Twitter criticando os quatro novos decretos do presidente Jair Bolsonaro — publicados na sexta-feira, 12, no Diário Oficial da União — flexibilizando a compra de armas, uma das bandeiras que mais mobilizam os bolsonaristas radicais.

“Mais grave que o conteúdo dos decretos (…) é o fato de ele exacerbar do seu poder regulamentar e adentrar numa competência que é exclusiva do Poder Legislativo”, escreveu. E completou: “O presidente pode discutir sua pretensão, mas encaminhando projeto de lei à Câmara”.

 

A partir daí, ele passou a ser alvo de ataques nas redes sociais de vários militantes bolsonaristas anônimos, que lembraram até o passado comunista de Marcelo Ramos, que hoje é do PL, um dos principais partidos do Centrão, bloco que apoia Bolsonaro e que levou Lira à vitória na Câmara. Antes, no entanto, Ramos, que está no seu primeiro mandato, foi do PCdoB entre 2000 e 2009 e do PSB, de 2009 a 2015.

Bolsonaristas mais célebres também foram para cima do novo primeiro vice-presidente da Câmara, como o ex-líder do governo e hoje líder do PSL, deputado Major Vitor Hugo (PSL-GO).

“Quem fala pela Câmara é seu presidente, respaldado pela maioria absoluta de seus deputados. Vozes paralelas aparecendo como se falassem pelo todo. Parte da imprensa repercute porque alinhada com seu discurso esquerdista. Bora discutir, votar e descobrir o que a Câmara pensa”, escreveu.

José Medeiros (Podemos-MT), vice-líder do governo Bolsonaro, também criticou. “Se ele tivesse se posicionado no campo da oposição, com certeza não seria hoje vice-presidente da Câmara. Usa nossos votos e, logo após ser eleito, dá um chute na nossa cara. Difícil isso”, afirmou.

Fonte: Veja

DEIXE SEU COMENTÁRIO