Ouça o áudio desse artigo

 5,917 Total de visualizações


A embaixada da China no Brasil ofereceu ao governo do Amazonas apoio financeiro e doação de insumos para o enfrentamento da pandemia de Covid-19. O estado enfrenta um colapso do sistema de saúde, com falta de leitos e de oxigênio para os pacientes internados. Nesta terça-feira (19), sete pessoas morreram em um hospital de Coari (AM) por falta de oxigênio.

Em ofício com data desta segunda-feira (18), a embaixada chinesa pede que o governo do Amazonas forneça informações de contato e indique pontos para recebimento de “doações tanto institucionais como empresariais do lado chinês”.

“Sensibilizada com a situação, esta embaixada está mobilizando o efetivo engajamento de instituições e empresas chinesas no Brasil para auxiliar de forma concreta neste momento desafiador, tais como oferecer apoio financeiro e doar itens e insumos prioritários para salvar vidas”, diz o documento.

Parentes de pacientes com Covid em Manaus dizem que oxigênio ainda está em falta nos hospitais

Parentes de pacientes com Covid em Manaus dizem que oxigênio ainda está em falta nos hospitais. A nota não detalha a quantidade e o tipo de doações que a embaixada pretende enviar ao Amazonas.

Nesta semana, o governo da Venezuela começou a enviar ao estado caminhões com 107 mil metros cúbicos de oxigênio para uso médico

Carta para Xi Jinping

Em outra frente, o deputado Fausto Pinato (PP-SP), presidente da Frente Parlamentar Brasil-China, protocolou na embaixada chinesa em Brasília uma carta endereçada ao presidente da China, Xi Jinping.

No documento, Pinato pede atuação direta do político chinês para a liberação de exportação de insumo farmacêutico ativo (IFA) ao Instituto Butantan e à Fundação Oswaldo Cruz para a continuidade da produção das vacinas CoronaVac e Oxford/AstraZeneca no Brasil.

“O tempo é o maior inimigo na luta contra a Covid-19. O Brasil é um dos países mais afetados pelo vírus em todo o mundo, com 8,5 milhões de infectados e mais de 210 mil mortos”, diz o deputado brasileiro.

O presidente do Grupo Parlamentar Brasil-China do Senado, Roberto Rocha (PSDB-MA), encaminhou ofício ao embaixador chinês no Brasil, Yang Wanming.

No documento, o tucano diz buscar informações sobre o fluxo de insumos da China para a produção de vacinas contra a Covid-19. Ele destacou que, para se vacinar a população brasileira, “não poderão faltar os insumos chineses necessários”.

“Não desconheço que houve impasses diplomáticos que afetaram o relacionamento entre o Brasil e a China, recentemente, mas que nada representam diante da fecunda cooperação realizada em diversas áreas”, afirma o senador.

Segundo o blog de Andreia Sadi, a postura “bélica” do chanceler brasileiro Ernesto Araújo tem atrapalhado negociações para a liberação do insumo necessário à produção da CoronaVac.

Essa atitude pode afetar o envio de insumo chinês para a produção da vacina CoronaVac pelo Instituto Butantan, de São Paulo, informou o blog de Valdo Cruz.

G1

DEIXE SEU COMENTÁRIO